Tarso diz que reclamações de governadores serão bem-vindas

O ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro, disse que não vê nenhuma problema se os governadores convidados para participar de uma reunião no Planalto, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na manhã de segunda-feira, antes do anúncio do programa de aceleração econômica (PAC), aproveitarem o encontro para fazerem reclamações sobre os seus problemas, em particular, pedir renegociação das suas dívidas. "Caso se transformar, eu diria que é natural", declarou o ministro, acrescentando que, "não há reunião de governadores com o presidente em que eles não tragam demandas, que demonstrem intenções ou que eventualmente tenha até uma manifestação mais aguda a respeito de algum tema nacional". Para o ministro, essas conversas são naturais e o presidente Lula sabe lidar com estes fatos. "Um governo que não souber incorporar esse tipo de relacionamento, é um governo inepto, incompetente", afirmou o ministro. "O nosso governo tem sabido incorporar críticas, alusões, e até acusações que não abalaram a disposição de manter o diálogo", disse. Para o ministro, "qualquer problema que haja de relacionamento com governador ou problema político nesta reunião, consideramos um acréscimo para o governo porque nós vamos estar conhecendo mais ainda as questões que os estados estarão colocando e analisaremos a possibilidade de contribuir para que estas questões sejam solucionadas". Tarso disse que mais de 20 governadores confirmaram presença na reunião de segunda-feira, no Planalto. Segundo ele, isto mostra a disposição dos governadores em ajudar o País a crescer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.