Tarso diz que obras do PAC vão começar neste semestre

As obras de infra-estrutura previstas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) devem começar nos próximos meses, afirmou o ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro, que concedeu entrevista nesta quinta-feira ao programa Bom Dia, Ministro, da Radiobrás."O presidente quer que as obras programadas para este ano, evidentemente, comecem no primeiro semestre, e algumas já estão em andamento?, declarou Tarso. O ministro disse que o PAC é um projeto de desenvolvimento que "retoma as funções públicas do Estado como um puxador do desenvolvimento".Tarso afirmou que o Estado deve intervir na economia de diversas formas. "Existe uma balela de economistas que diz que o Estado não tem funções públicas para promover o desenvolvimento econômico, que apenas tem que criar marcos regulatórios para a iniciativa privada funcionar, e se recolher", disse o ministro. "Isso não é verdade".De acordo com Tarso, o PAC será a resposta do governo Lula à questão do crescimento e da distribuição de renda. "A visão do PAC é crescer com distribuição de renda e por isso também integrar a questão do desenvolvimento econômico com o desenvolvimento social".O ministro informou que na próxima terça-feira haverá uma reunião do Conselho Político de coalizão, em que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, vai apresentar as linhas de desenvolvimento econômico previstas no PAC. O programa, anunciado no dia 22 de janeiro, prevê que R$ 503,9 bilhões sejam investidos em infra-estrutura até 2010.ImprensaApesar das tentativas do governo de melhorar a relação com a mídia, Tarso retomou os ataques e afirmou que a imprensa "oposicionista" faz uma "torcida terrível" para que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva diminua o tamanho do PT no governo. "A mesma imprensa que disse que o governo tinha terminado e fracassado diz que o presidente vai despetizar o governo", afirmou o ministro, mostrando-se irritado.Durante o programa, Tarso Genro afirmou que a imprensa faz torcida com editoriais, manifestações e notícias manipuladas contra o governo e o PT. A Radiobrás convidou jornalistas de emissoras privadas de rádio para fazer perguntas ao ministro. O ministro afirmou que a "torcida" da imprensa é legítima e normal num regime democrático, mas não influencia as decisões do Palácio do Planalto. Um jornalista perguntou ao ministro se era mais difícil para o governo enfrentar a guerra interna no PT ou a oposição do PSDB e do PFL. Tarso, então, voltou a atacar a imprensa, acusando setores do jornalismo de inventar histórias de divergências no partido. Com Leonencio NossaEste texto foi ampliado às 15h52.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.