Tarso diz que governo de coalizão é ´política sofisticada´

O ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro, disse nesta quarta-feira que o veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao reajuste dos membros do Conselho Nacional do Ministério Público, não sinaliza uma abertura de crise, porque as relações entre as partes estão amadurecidas. Tarso atendeu à Conferência do Salão Nacional dos Territórios Rurais, em Brasília. Em rápida entrevista, ele disse que em relação à Previdência Social, o presidente não fará nenhuma modificação sem que antes sejam tomadas medidas radicais para melhorar a gestão e reduzir o déficit."O presidente tem dito que mesmo que haja reforma no futuro não vai prejudicar os direitos dos de baixo", afirmou Tarso.Sobre o governo de coalizão que está sendo articulado pelo presidente Lula, o ministro resumiu como uma construção política sofisticada. Segundo ele, não se forma um governo para depois ter a base no parlamento. "É o contrário. Se estabelece uma relação com os partidos, ritos programáticos, e a partir daí é que se parte para a formação do governo. Isso é mais do que um artesanato. É uma ourivesaria", disse Tarso, que vai se reunir à tarde com o PCdoB para preparar a reunião que o partido terá com Lula na segunda-feira, para tratar do assunto. Questionado se um integrante desse governo de coalizão poderá sofrer retaliações no caso de votar contra o governo, Tarso disse que ninguém deve votar contra a sua consciência. "Uma coalizão busca um programa mínimo que é genérico", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.