Tarso diz que democracia dos EUA vive impasse autoritário

No dia em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva chega a Washington para uma visita oficial ao presidente George W. Bush, o Ministro da Justiça, Tarso Genro, criticou a Justiça norte-americana ao apontá-la como negligente em relação a torturas ocorridas em presídios como Guantánamo. Segundo Tarso, os Estados Unidos são uma democracia que vive um "impasse" autoritário. "É absolutamente visível que uma democracia republicana como a americana vive um impasse autoritário do qual não sabe como vai se salvar. Basta lembrar que a Suprema Corte Americana já admite provas obtidas por meios ilegais para possibilitar que a Justiça penal opere", disse Genro durante aula inaugural na Universidade Cândido Mendes. "A Justiça americana silencia diante da possibilidade de nos campos de prisioneiros, dentro e fora do seu território, se tornem insignificantes os vínculos da Constituição Americana com direitos humanos. E, portanto, há aceitação tácita da tortura que é uma prática medieval de aceitação da prova", acrescentou o ministro.Encontro de LulaO presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, receberá neste sábado o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Camp David, quando retomam a discussão para o uso hemisférico do etanol e a retomada da Rodada Doha de comércio. Lula vai para os EUA nesta sexta-feira, após evento em Recife, Pernambuco.Na chegada, Bush conduzir Lula em um carrinho de golfe até o bangalô onde terão encontro oficial. A secretária de Estado dos EUA, Condoleeza Rice, deverá conduzir outro carrinho de golfe levando o embaixador do Brasil nos EUA, Antonio Patriota. O encontro está previsto para as 16 horas, sendo que em seguida os líderes concedem uma entrevista à imprensa. Às 18h30, mais cedo do que o costume brasileiro, Bush oferece um jantar. A previsão é de que Lula embarque de volta ao Brasil às 20h35 (horário local), na Base Aérea de Andrews. Além de ressaltarem os laços na busca para tornar o etanol uma commodity mundial em alternativa ao petróleo, Bush e Lula devem ainda anunciar parcerias de ajuda e fortalecimento da democracia na África e assinar acordos de cooperação na área de educação. Eles também devem anunciar um acordo para o compartilhamento de informações entre os fiscos que ajudaria, por exemplo, a combater a lavagem de dinheiro, além de discutir formas para evitar a bitributação entre ambos países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.