Tarso afirma que governo Lula é de centro-esquerda

O ministro das Relações Institucionais Tarso Genro reiterou nesta terça-feira que o governo Lula não é de esquerda e sim de centro-esquerda. De acordo com o ministro, o segundo mandato vai continuar a ter uma forte inflexão centrista. "A delegação dada pelo processo eleitoral é muito clara. Nem todos os partidos da esquerda reunida tem a maioria no parlamento nem a maioria dos votos no país. Aplicar mecanicamente um projeto de esquerda seria infiel à representação", afirmou. Tarso Genro disse também que neste segundo mandato a política governamental será mais progressista e democrática avançando em questões essenciais como desenvolvimento social. "A característica da esquerda moderna é a sua capacidade de ter uma política econômica forte e distribuir a renda. No segundo mandato criaremos mais renda, aumentaremos a taxa de empregos privilegiando a política pública e a educação". O ministro explicou que numa democracia moderna existe um equilíbrio de forças entre a direita e a esquerda, mas que o centro é fundamental. Segundo ele, o problema é criar condições para que o PMDB seja um partido unido e centrista e que o PT não deve se tornar de centro. "Antes o PMDB se auto-anulava porque uma metade votava contra e a outra a favor do governo. É necessário que o PMDB seja um partido centrista, progressista e democrático para que faça suas alianças, ora com a esquerda, ora com a direita, mas que tenha uma união para dar estabilidade democrática ao governo do país" Tarso Genro contestou as especulações que o PT estaria preocupado com o numero de ministérios porque o partido já tem a máxima representação do País. "O PT não manifestou este tipo de preocupação, muito pelo contrário porque certamente terá responsabilidades ministeriais. O presidente também já disse que o PMDB é bem-vindo e que é necessário um partido centrista. Para o PT a coalizão não é um problema e sim solução". O ministro discordou das comparações de que a tendência centrista do governo Lula poderia parecer com a precedente política do presidente Fernando Henrique Cardoso. "O mandato de Fernando Henrique Cardoso não foi centrista e sim de centro-direita. Isso é muito claro. Todas as forças políticas que o apoiaram apresentavam um programa privatizante e se adequaram de maneira plena às diretrizes do consenso de Washington, que lesionaram de modo grave as finanças e a economia do País". O ministro das Relações Institucionais concluiu nesta terça sua viagem de seis dias à Itália para articular o processo de colaboração entre o Conselho Nacional da Economia e do Trabalho (CNEL) - da Itália - e o Conselho para Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), o Conselhão, que ele preside. Em Roma, Tarso Genro encontrou-se com o ministro das Relações Exteriores da Itália, Massimo D´Alema para conversar sobre assuntos bilaterais e sobre o Mercosul.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.