Tarso admite que Lula pode apoiar dois candidatos em 2010

'Pode ocorrer. O Brasil é um país insólito', afirma ministro da Justiça sobre a possibilidade

Da Redação,

14 de abril de 2008 | 11h00

O ministro da Justiça, Tarso Genro, admitiu a possibilidade de o presidente Lula apoiar dois candidatos no primeiro turno da eleição presidencial de 2010. Isso aconteceria, por exemplo, se o governador de Minas, Aécio Neves, deixasse o PSDB para se lançar candidato pelo PMDB.  "Não haverá nenhuma dificuldade, em minha opinião - e não estou falando pelo presidente Lula - de que o presidente Lula tenha no primeiro turno das próximas eleições (presidenciais) dois candidatos", afirmou o ministro em entrevista ao programa Canal Livre, da TV Bandeirantes.  Quando questionado sobre o caráter insólito de o presidente vir a apoiar dois candidatos, foi irônico: "Pode ocorrer. O Brasil é um país insólito". Aliança Ao responder se uma eventual aliança do governador mineiro Aécio Neves com o prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), nas próximas eleições municipais, poderia se estender para outras regiões do País, Tarso afirmou: "Depende do destino que eles derem para essa aliança".  "Como essas forças políticas vão se mover em direção a 2010?", questionou. "Dependendo do sentido, pode colaborar para a formação de um bloco." Ele afirmou ainda que a coalizão que dá sustentação ao governo Lula, embora seja importante, carece de "solidez programática e ideológica firme". Dossiê Tarso Genro voltou a afirmar que a Polícia Federal (PF), que é hierarquicamente subordinada ao Ministério da Justiça, deve investigar apenas a autoria do responsável pelo vazamento das informações contidas no dossiê com as informações de gastos do governo anterior.  Ele garantiu que ela terá total liberdade de ação. "A PF não tem nenhuma orientação - e nem pode ter", frisou. "Nem do ministro da Justiça, nem do superintendente (da PF)", ponderou.  Mas, em aparente paradoxo, reafirmou o rumo a ser dado à investigação: "A PF tem que investigar fatos delituosos e o fato delituoso que é provável e que ela foi chamada a investigar é o vazamento de documentos da Casa Civil. É disso que se trata".

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2010Tarso GenroLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.