Tarso acredita em avanço na negociação para aprovar Orçamento

O ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro, disse nesta segunda-feira que o pior que pode acontecer é o País ficar sem Orçamento e por isso acredita em um avanço nas negociações com a oposição para que a votação aconteça ainda esta semana. A Câmara informou que está marcada para amanhã, às 18 horas, sessão do Congresso para votar a proposta do Orçamento Geral da União para 2006.Tarso disse que o governo "claro que aceita e já está negociando" as questões apresentadas pela oposição. "Nada é impedimento. Sabemos que temos a colaboração da oposição. O pior que pode acontecer é a gente ficar sem Orçamento e trabalhar com Medida Provisória. Se precisar emitir, é claro que o governo vai emitir Medida Provisória, nós temos que governar. Mas nosso objetivo e da oposição é votar o Orçamento", afirmou."Quando as demandas são colocadas, são em números ideais. Quem sabe não chegamos a um termo médio? O Orçamento não é do PT ou do PSDB, é do País", afirmou.Bem escoradoSobre possibilidade de pedido de impeachment do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Tarso disse respeitar partidos e entidades que levantam o debate. "Mas não pode haver irracionalidade política." Ele afirmou ainda que o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, está "muito bem escorado" para dar todos os esclarecimentos necessários ao Congresso, na próxima quinta-feira. Para o ministro das Relações Institucionais, é natural que a oposição tente atingir o presidente Lula durante o depoimento de Bastos. "O governo até agora foi o alvo, faz parte da democracia. Não nos atemoriza qualquer ataque político. Estamos preparados para tomar medidas políticas e respostas políticas", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.