TAM cobra mais para transportar FHC

A TAM pediu um valor superior aos R$ 6,6 milhões estipulados pelo governo federal para serem gastos com o transporte do presidente Fernando Henrique Cardoso e sua comitiva nas viagens internacionais de longa distância, entre maio de 2001 e maio de 2002. O pedido da TAM, que ultrapassa 20% do valor inicial, ainda está sob análise. O governo federal está verificando as fundamentações da empresa para saber se é viável aceitar o aumento do preço. A empresa considerou a soma muito inferior ao que estima precisar desembolsar no período.Durante o primeiro contrato de prestação de serviço, a quantia a ser paga foi de R$ 3,3 milhões. O valor final do acordo, no entanto, poderá chegar a R$ 4 milhões. A definição dessa quantia só poderá ser feita depois do final do contrato, que ainda tem mais de um mês de vigência. Pelo menos mais uma viagem internacional será realizada dentro desse acordo, para o Canadá, na semana que vem.Caso o Planalto não concorde com o preço da TAM, ou o presidente volta a voar no velho Boeing Presidencial, ou terá de se sujeitar aos vôos comerciais, já que nenhuma outra companhia aérea se apresentou para disputar a concorrência por estar inadimplente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.