Taj Mahal é fechado por duas horas para visita de Dilma Rousseff

Taj Mahal é fechado por duas horas para visita de Dilma Rousseff

Presidente exaltou a beleza e a arquitetura do templo, construído entre 1630 e 1652

Tânia Monteiro e Wilson Pedrosa, Enviados especiais a Nova Délhi

31 de março de 2012 | 12h11

O Taj Mahal, mais conhecido e místico monumento da Índia, foi fechado por duas horas na manhã deste sábado, 31, para receber a presidente Dilma Rousseff e sua comitiva. Uma longa fila de turistas se formou do lado de fora, enquanto o templo era evacuado para a presidente, por policiais que usavam apitos.

Esse foi o último compromisso de Dilma Rousseff em sua viagem de cinco dias à Índia, onde ela participou da reunião dos Brics, grupo de países emergentes que inclui Brasil, Índia, Rússia, África do Sul e China e de uma visita bilateral ao governo indiano.

A presidente deixou uma mensagem no livro de visitas. "O Taj Mahal é, sem dúvida, uma das obras humanas mais maravilhosas e com uma beleza suave e, ao mesmo tempo forte, que muda, de acordo com nossa perspectiva", escreveu Dilma. "É um monumento ao amor e à capacidade dos homens e mulheres da Índia de produzir beleza", acrescentando, assinando em seguida, Dilma Rousseff, presidenta do Brasil.

Dilma e seus convidados chegaram ao Taj Mahal pouco depois das nove horas da manhã. Ela percorreu todo o templo a pé. A imprensa ficou do lado de fora e só pode fotografar Dilma na chegada ao templo.

Na conversa com o administrador do Taj, a presidente exaltou a beleza e a arquitetura do templo, construído entre 1630 e 1652, com o trabalho de 20 mil homens, trazidos de várias cidades do Oriente.

O suntuoso monumento de mármore branco foi construído pelo imperador Shah Jahan, em homenagem à mulher, morta no parto do 14º filho. O Taj Mahal foi construído sobre o seu túmulo, junto ao rio Yamuna.

Da cidade de Agra, onde fica o Taj Mahal, a 200 quilômetros de Nova Délhi, Dilma voltou para a capital indiana, para pegar o avião presidencial. Ela decolou em direção a Brasília às 12 horas. A comitiva presidencial fará uma escala técnica em Palermo, na Itália. O desembarque em Brasília está previsto para a manhã deste domingo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.