Tailândia vai testar vacina contra dengue

Pesquisadores da Tailândia vão começar a testar, em fase 3 (a última), a mais promissora vacina contra a dengue já desenvolvida. O experimento ainda não tem data marcada para começar, mas deve ocorrer em alguns países da Ásia e envolver 3 mil pessoas. A informação é de Robert Shope, consultor da Organização Mundial de Saúde para estudos de vacinas de dengue e professor de patologia da Universidade do Texas (EUA). Segundo ele, a OMS avalia que esta vacina da Tailândia é a que tem mais chances de ser aplicada como rotina para imunizar a população a curto prazo.Shope está no Brasil participando do 38º Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, em Foz do Iguaçu (Paraná), e discute com outros especialistas em dengue formas de controlar epidemias da doença no mundo. Além do Brasil, o vírus da dengue é responsável por grandes surtos em vários países asiáticos e africanos. A vacina contra a dengue já foi testada em fases 1 e 2 com sucesso na Tailândia. A primeira etapa do teste tem o objetivo de checar apenas se o produto não apresenta efeitos colaterais e é seguro para ser aplicado na população. A segunda fase também investiga a segurança, mas também avalia a eficiência da droga. A substância (ainda sem nome) foi testada em 200 pessoas na fase 2 e provou que funciona. A vacina não apresentou riscos e conseguiu fazer com que os pacientes criassem anticorpos contra todos os vírus da dengue.O experimento desenvolvido para a fase 3 tem em sua composição partículas que imitam a estrutura dos quatro tipos de vírus da dengue (de 1 a 4) existentes no mundo. A idéia é que, aplicada periodicamente (provavelmente a cada dez anos como ocorre com a vacina para a febre amarela), essa droga consiga imunizar o paciente contra os quatro tipos da doença. Vacina brasileiraComo no Brasil foram detectados três dos quatro tipos de vírus da dengue, os testes com pacientes não devem ocorrer com brasileiros. Segundo Shope, o uso de drogas candidatas à vacina aqui seria antiético, já que a população é suscetível ao tipo 4 da dengue e, em tese a vacina poderia provocar uma infecção de dengue deste tipo.Outras substâncias que podem virar vacinas contra a dengue estão sendo estudadas em vários países, segundo informou Shope. Os Estados Unidos pesquisam três produtos, mas todos estão em fase de estudos em laboratório. O Brasil também tem pesquisas adiantadas. A mais desenvolvida, segundo Shope, é a de um grupo da Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.