'Tabelinha com Alckmin continuará', diz Doria sobre eleição

Enquanto prefeito de São Paulo irá disputar o governo do Estado, atual governador concorre à Presidência da República

O Estado de S.Paulo

29 Março 2018 | 13h53

Ao falar dos projetos do governo estadual e da Prefeitura de São Paulo em parcerias público privada (PPP) na habitação, o prefeito da capital paulista, João Doria (PSDB), disse que a "tabelinha" com o governador Geraldo Alckmin (PSDB) funciona muito bem em São Paulo.

"E continuará funcionando porque Geraldo Alckmin será presidente e nós aqui vamos começar no dia 7 uma caminhada juntos para preservar esse legado que é motivo de honra e orgulho para todos nós no Estado".

++ Doria e Haddad fazem ‘terceiro turno’

Já Alckmin, em seu discurso, falou da "sinergia" entre os dois. "Quando a gente faz uma sinergia, quem ganha é a população", declarou, dizendo que tem uma "boa parceria" com Doria.

Enquanto Doria se movimenta para sair da Prefeitura até o dia 7 e disputar a eleição estadual, Alckmin deixará o Palácio dos Bandeirantes para ser candidato ao Planalto.

++ Analistas veem tiros contra caravana de Lula como ameaça à democracia

O governador também acenou para o líder do DEM na Câmara, deputado Rodrigo Garcia, que se apresenta como pré-candidato à sucessão estadual, mas ainda considera aliança com o PSDB. "É um craque", disse o tucano sobre o parlamentar, que foi secretário da Habitação em seu governo.

Protesto. Enquanto o prefeito e o governador participam de cerimônia para entrega de uma das torres do Complexo Júlio Prestes, unidade habitacional na região central, o deputado federal Major Olímpio (Solidariedade-SP) faz mais um protesto contra o governo tucano.

Com uma caixa de som do lado de fora do evento, Olímpio acusa Alckmin de entregar o projeto inacabado, já que nem todos os apartamentos do complexo serão inaugurados agora. "Safadeza mesmo", declarou.

O governo do Estado afirma que 170 apartamentos estão sendo entregues neste momento e que, até o fim de 2018, serão 914 unidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.