Tabela mostra que empreiteira pagou R$ 5,4 mi a ex-diretor por seis obras

Documentos entregues por empresário à Lava Jato, para obter benefícios da delação premiada, apontam pagamentos da Galvão Engenharia ao ex-diretor de Serviços Renato Duque, indicado pelo PT, em troca de oito contratos com a estatal

Ricardo Brandt, enviado especial, e Fausto Macedo, O Estado de S. Paulo

01 de março de 2015 | 23h00

Em sua delação premiada à força-tarefa da Operação Lava Jato, o engenheiro Shinko Nakandakari entregou uma tabela com detalhes da propina paga, segundo ele, pela empreiteira Galvão Engenharia ao ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque, indicado pelo PT, e a seu braço direito, o ex-gerente Pedro Barusco. Na lista constam seis obras da estatal que renderam aos dois R$ 5,4 milhões.

Shinko, como é conhecido, é o primeiro de 11 operadores de propina na Diretoria de Serviços, segundo a investigação, a firmar acordo de delação premiada com o Ministério Público e a Polícia Federal. Para ter o acerto homologado pela Justiça, ele precisa apresentar provas do que afirma em seus depoimentos. A tabela consta em troca de mensagens entre o engenheiro e o ex-diretor de Óleo e Gás da Galvão Engenharia Luiz Augusto Distrutti. 

De acordo com os registros, a obra que rendeu o maior volume de propina, em um único contrato, é a do Gasoduto Cabiúnas-Reduc (Refinaria Duque de Caxias), no Rio de Janeiro: R$ 1,6 milhão aos ex-funcionários da Petrobrás. O valor corresponde a 1,5% dos recursos pagos mensalmente pela Petrobrás à Galvão Engenharia entre agosto de 2008 e maio de 2009. 

Há pagamentos de propina também em três contratos nas obras do Complexo Portuário e Industrial do Pecém, no Ceará, que somam R$ 1,8 milhão. O documento registra ainda propinas pagas nas obras do Gasoduto Cacimbas-Catu (Gascac), entre a Bahia e o Espírito Santo (R$ 833,3 mil); do Gasoduto Japeri-Reduc, no Rio (R$ 555,5 mil); do Terminal Aquaviário de Ilha Comprida, no Rio (R$ 133 mil); e da Refinaria Landulpho Alves, na Bahia - nesse caso o registro de propina não está contabilizado. 

Ao todo há oito tabelas diferentes no documento, cada uma referente a um contrato firmado com a Petrobrás pela Galvão Engenharia. 

A empresa é uma das 16 acusadas de cartel e corrupção na estatal pelos investigadores da Lava Jato. Segundo a apuração, o doleiro Alberto Youssef atuava como operador do PP na Diretoria de Abastecimento, e o lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, atuava em nome do PMDB na Diretoria Internacional. 

Shinko é importante figura para a Lava Jato elucidar como atuaram os indicados do PT no esquema montado na estatal. Segundo os investigadores, a Diretoria de Serviços era cota do partido no esquema montado na estatal. Duque teria sido indicado pelo ex-ministro José Dirceu, condenado por corrupção no escândalo do mensalão. O petista nega a indicação. 

Em depoimento prestado no dia 19 de fevereiro, Shinko afirmou que entregou dinheiro “em espécie diretamente” a Duque e a Pedro Barusco. O ex-gerente também fez acordo de delação premiada. Duque chegou a ser preso em novembro do ano passado e solto, em dezembro, por decisão do Supremo Tribunal Federal. O ex-diretor nega as acusações. 

Segundo o engenheiro, ele foi contratado a partir de 2008 pela Galvão para “facilitar” a entrada da empreiteira no cartel. 

Codinomes. Outro material revelador para os investigadores entregue pelo engenheiro são cópias dos e-mails trocados com um ex-diretor da Galvão em que se discutem “valores que iriam ser pagos a Renato Duque e Pedro Barusco, para que concordassem com os aditivos que seriam celebrados entre a Galvão e a Petrobrás”.

Em um dos casos, os dois falam de “aditivos” nas obras do Complexo Pecém. “As aprovações no Jurídico e Diretoria serão monitorados diretamente pelo Zé com apoio do João.” As expressões “nosso amigo” e “Zé” usadas nos e-mails referem-se a Barusco. “Nobre” e “João” eram as formas usadas para falarem de Duque.

Por meio de seu advogado, Duque nega o recebimento de propina, “jamais tendo mantido relacionamento ilícito com o senhor Shinko Nakandakari”. O advogado Renato Moraes, defensor do ex-diretor, declarou que seu cliente está “à disposição das autoridades competentes para prestar os esclarecimentos necessários sobre sua gestão à frente da Diretoria de Serviços da Petrobrás”.

A Galvão Engenharia informou que “os pagamentos feitos (a Shinko) resultaram de prática de extorsão e concussão, conforme relatado às autoridades competentes”. Segundo a Galvão Engenharia, por meio de sua assessoria de imprensa, “o sr. Shinko Nakandakari nunca foi funcionário da empresa”.

Tudo o que sabemos sobre:
operação lava jato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.