Sustentabilidade não é só slogan, diz ministro

Carlos Minc avalia que as propostas de desenvolvimento sustentável precisam ser qualificadas pelos candidatos

, O Estadao de S.Paulo

06 de setembro de 2009 | 00h00

Declarado "companheiro" e "fã de carteirinha" de Marina Silva (PV-AC), o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, elogia a possível candidatura da senadora à Presidência, mas estará em outra outra trincheira na batalha eleitoral de 2010.

O ministro será um dos condutores do debate interno que alimentará a plataforma ambiental que Dilma Rousseff apresentará na campanha. "Não posso falar por todos os partidos, mas o PT está preparado para o debate", afirma.

A seguir, trechos de entrevista concedida por telefone, na sexta-feira:

CAMPANHA

"A candidatura Marina vai criar uma centralidade em torno da questão ambiental no País. Será muito boa para aprofundar o debate na campanha eleitoral. Não posso falar por todos os partidos, mas o PT está preparado para o debate."

SLOGANS

"As propostas de desenvolvimento sustentável precisam ser qualificadas pelos candidatos. Uns dizem que sustentável é o que fica por muito tempo, outros dizem que é o que tem financiamento. A noção de sustentabilidade tem de ser aprofundada e qualificada, para sair do slogan, que pode abarcar qualquer coisa. Não pode ser só slogan."

DESMATAMENTO

"Agora todo mundo é favorável ao desmatamento zero, até os ruralistas. Mas quando eu vou a uma área específica, tirar gado de área de conservação, fazer leilão de boi pirata, apreender madeira roubada ou embargar quem está desmatando, aí é um horror. Sou xingado, câmaras de vereadores me consideram persona non grata, como aconteceu recentemente no Pará, senadores me convocam e eu fico cinco horas ouvindo desaforos... Então cheguei à conclusão de que o pessoal é a favor do desmatamento zero na terra dos outros."

PETRÓLEO E AMBIENTE

"A Noruega é um dos países mais avançados em posições mundiais sobre meio ambiente e clima. É a nossa grande benfeitora no Fundo Amazônia, entrou com US$ 1 bilhão. Todos os dias eu acordo e digo: viva a Noruega. E é uma grande produtora de petróleo."

PRÉ-SAL

"Sou defensor das energias renováveis, batalho por isso. Mas encontramos o pré-sal. Que vamos fazer? Fechar e deixar lá? Qualquer país do mundo, mesmo os mais avançados, que têm discurso de salvação planetária, explorariam essa riqueza. A questão é como fazer a exploração. Os poços do pré-sal emitem mais gás carbônico do que os que estão em exploração atualmente. Então precisamos ter tecnologia de reinjeção do gás nos poços, captura e estocagem do carbono lá embaixo. A Petrobras pesquisa isso há nove anos."

RECURSOS

"Conseguimos uma vitória no próprio dia que foi anunciado o marco regulatório do pré-sal, que foi transformar o Fundo Social em Fundo Ambiental Social, por uma proposta nossa, acatada pelo presidente. E esse fundo, que vai ter montes de dinheiro, antes previsto para combate à pobreza, educação e tecnologia, agora vai ter uma linha forte de meio ambiente e desenvolvimento sustentável. Terá recursos para o desenvolvimento de energias renováveis."

PRESSÕES

"O governo quer todas as hidrelétricas. Os ambientalistas não querem nenhuma. Cada usina que a gente demora para licenciar, a ministra Dilma e o ministro Lobão ameçam se jogar pela janela. Cada uma que a gente licencia, o Ministério Público entra com uma ação criminal contra o presidente do Ibama, Roberto Messias."

SECTARISMO

"Não sou só ambientalista. Acho que o Brasil tem de se desenvolver, enfrentar a pobreza, investir em infraestrutura. Não ter boa infraestrutura de portos e energia é um horror. É um atraso de vida esse negócio de ambientalista ser contra hidrelétricas. Acabamos dependentes de usinas térmicas a óleo e a carvão. É uma visão completamente sectária."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.