Suspensão de prévia foi absurda, diz Quércia

O presidente do diretório do PMDB em São Paulo e ex-governador do Estado, Orestes Quércia, qualificou de "absurda e injustificável" a decisão do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Edson Vidigal, de conceder liminar para a ala governista do partido e, assim, suspender a realização das prévias da sigla para a escolha do candidato à Presidência da República, marcadas para domingo."É um absurdo essa decisão do ministro Vidigal, sem nenhuma base técnica. Pesou, ao que parece, aspectos políticos nessa concessão de liminar", disse Quércia à Agência Estado, ao insinuar que a amizade entre o presidente do STJ e o senador José Sarney (PMDB-AP) teria sido o principal fator a levar o ministro a conceder a liminar.Quércia garantiu que, nas próximas 24 horas, os partidários da candidatura própria conseguirão derrubar a liminar no Supremo Tribunal Federal (STF) e as prévias serão mantidas. "Não tenho nenhuma dúvida que essa liminar cairá e vamos manter a chama acesa de definirmos nosso candidato no domingo", declarou. "Vamos ver o que decide o ministro Nelson Jobim (presidente do STF)", acrescentou.Neste momento, informou o ex-governador, além do presidente nacional do PMDB, deputado Michel Temer (SP), os pré-candidatos da legenda à Presidência, o ex-governador do Rio, Anthony Garotinho, e o governador do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto, deslocam-se para Brasília para tentarem garantir a realização das prévias no domingo.Ao insistir que a decisão de Vidigal é "política", Quércia afirmou que, diferentemente do alegado pela ala governista, a Executiva Nacional do PMDB pode sim convocar prévias, amparada pelo estatuto do partido. Além disso, o presidente do PMDB paulista observou que ainda não há julgamento final na Justiça anulando a convenção nacional realizada em dezembro de 2004, quando foi definida a candidatura própria do partido à Presidência da República."A convenção foi anulada em primeira instância, por determinação do próprio Vidigal. Falta ainda o julgamento final", argumentou. "Lembro também que a convenção apresentou o argumento de candidatura própria, mas a realização de prévias depende apenas de determinação da Executiva Nacional, o que foi feito", complementou, acrescentando que mantém orientação aos diretórios regionais para que os filiados compareçam aos locais de votação no próximo Domingo.Partidários das prévias farão vigília em BrasíliaDiante da liminar obtida pela ala governista do PMDB suspendendo a realização, no domingo, das prévias do partido para escolha do seu candidato à Presidência da República, os partidários da candidatura própria decidiram fazer uma mobilização em Brasília. Os dois pré-candidatos, governador licenciado do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto, e ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, decidiram abandonar a reta final da campanha nos Estados e se deslocar para Brasília. A idéia é fazer uma vigília cívica e política em favor das prévias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.