Suspeito de chacina em Felisburgo é solto após mostrar álibi

Um dos homens presos na semana passada como suspeito de ter participado da chacina no acampamento do Movimento dos Sem-Terra (MST), em Felisburgo (MG), foi liberado após prestar depoimento ao delegado Wagner Pinto, que preside o inquérito. Wadson Teixeira de Jesus, de 25 anos, apresentou uma fita de vídeo - levada por sua noiva - que comprovaria que no dia e no horário dos crimes ele participava de um casamento em Itajuípe (BA).Wadson e outros dois suspeitos haviam sido presos por agentes federais na última quinta-feira, na cidade do sul da Bahia. Senilson Marcílio Santos, 37 anos, e Edvan Luiz dos Santos, de 47, também prestaram depoimento no Fórum de Jequitinhonha. Eles voltaram a negar participação nas execuções, mas foram reconduzidos à cadeia pública do município vizinho a Felisburgo.Os depoimentos, segundo policiais civis que investigam o caso, ajudaram na possível identificação de outras pessoas que teriam participado do ataque ao acampamento Terra Prometida. Entre as informações fornecidas está a de que o fazendeiro Adriano Chafik Luedy, de 37 anos - suspeito de ser o mandante e participar das execuções -, passou os dois últimos meses arregimentando pistoleiros na região de Itajuípe para a operação criminosa.A prisão temporária de Chafik já foi decretada pela Justiça, mas até o início da noite de ontem ele continuava foragido. Outros três suspeitos, presos em flagrante horas após os crimes, permaneciam detidos na penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.