SUS distribuirá remédio a hipertensos e diabéticos

Pessoas hipertensivas e diabéticas receberão gratuitamente remédios no Sistema Único de Saúde (SUS). O ministro da Saúde, Barjas Negri, anunciou que, até o final do ano, irá universalizar a distribuição de remédios para pacientes de hipertensão, um fator de risco para infarto. No máximo em dez dias, Negri diz que o governo estará divulgando o esquema para os diabéticos.Negri prevê atendimento de 9 milhões de pessoas, com a distribuição de três anti-hipertensivos (hidroclorotiazida, propanolol e captopril) fabricados por laboratórios oficiais. Ele garante ser mais econômico contratar esses laboratórios do que repassar verba para as secretarias fazerem as compras. Atualmente, 4 milhões de pessoas já estão recebendo remédios para hipertensão por meio de programas de Saúde da Família e de Assistência Farmacêutica Básica. Os novos beneficiários serão incorporados gradativamente, a partir de maio. Os interessados deverão fazer um cadastro, que será automaticamente vinculado ao cartão nacional de saúde do SUS para facilitar o atendimento do paciente em caso de consultas ou internação. Simultâneo ao trabalho de distribuição de remédios, o ministério investirá em treinamento de profissionais de saúde para melhorar a identificação de casos de hipertensão e diabete e a orientação dos pacientes. No ano passado, durante campanha de prevenção à doença, inúmeras pessoas desconheciam sofrer de pressão alta. O secretário de Políticas de Saúde do ministério, Claudio Duarte, alerta que nem sempre a pessoa tem sintomas, como dor de cabeça e vista enturvada. Ele explica que a hipertensão é mais comum entre obesos, idosos ou pessoas sob estresse emocional. Bebida alcóolica e o sal contribuem para aumentar a pressão. Duarte recomenda a todos medição da pressão, pelo menos, uma vez ao ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.