Surto de malária atinge Minas Gerais

Depois da suspeita da presença da síndrome respiratória aguda grave (Sars), também chamada de pneumonia atípica, em Belo Horizonte, Minas Gerais agora abriga, desde o último dia 30 de abril, um surto de malária do tipo vivax (forma mais branda da doença), que atinge o distrito de Souza, na cidade de Rio Manso, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Até agora, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) confirmou a existência de seis casos na região. Um outro ainda está sendo apurado. No ano passado, apenas um caso de malária foi confirmado em todo o Estado.De acordo com a superintendente de Epidemiologia da SES, Valéria Rodrigues, as pessoas contaminadas pela malária estão internadas no Hospital Miguel Augusto Gonçalves, em Rio Manso, e o trabalho de controle da epidemia já está sendo feito em toda região. "Não há motivos para pânico, porque as principais medidas para controle do problema já estão sendo tomadas.Porém, as pessoas devem evitar áreas próximas aos rios e matas, principalmente ao amanhecer e entardecer, quando omosquito costuma picar suas vítimas", alerta Valéria.Este tipo de malária é transmitida pelo mosquito Anopheles. Conforme Valéria, os sintomas são anemia, pele amarelada, olhos amarelados e febre alta com calafrios em intervalos de três ou quatro dias. "Os infectados precisam ser tratados e fazer alguns controles para que a doença não fique incubada e apareça posteriormente", explica. Como não existe vacina contra a malária, Valéria orienta a população que procure o centro de saúde mais próximo, caso perceba estes sintomas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.