Surto de conjuntivite avança sobre Zona da Mata em MG

O surto de conjuntivite viral, que no Rio de Janeiro já atingiu mais de 34 mil pessoas, atravessou as fronteiras e chegou a Minas Gerais. O último balanço divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado de Minas, na quarta-feira, registrava 2.114 casos da doença neste ano, concentrados em dez municípios da Zona da Mata. Porém, estima-se que no próximo balanço, que será divulgado nesta segunda-feira, o número de atingidos passe de 3.000, em mais de 15 cidades na mesma região. Segundo o coordenador de Oftalmologia Social da secretaria, Jules Ayoub, o número extra-oficial pode ser ainda maior, já que a notificação de casos de conjuntivite não é obrigatória. "O próximo balanço certamente vai registrar um número acima de 3.000 casos, pois na última consulta os casos já passavam de 2.500. Mas, como muita gente não procura um posto de saúde, pois a notificação não é obrigatória, o número de atingidos pelo vírus pode ser bem maior", informou. Para o oftalmologista, a proliferação se dá porque as pessoas contaminadas continuam a circular pela região sem antes tratar da doença. "O surto iniciou no Rio de Janeiro. Como a Zona da Mata faz divisa com o Estado Fluminense, os moradores do Estado de Minas foram contaminados", explicou Ayoub, que faz um alerta à população. "As pessoas que transitam pela fronteira dos dois estados devem tomar cuidados. Se forem contaminadas, não façam uso da auto-medicação, usando colírios à base de cortisona. Isso pode agravar o quadro", alertou o médico.Cinco cidades concentram 95% dos casos registrados na Zona da Mata: Juiz de Fora, Cataguases, Palma, Leopoldina e Santana de Cataguases. "A situação mais preocupante está em Palma, onde 10% da população já foi atingida pela conjuntivite. Mas os casos começam a aparecer com força em outras cidades como é o caso de Miraí e Resende, que fica na mesma região", completou o coordenador de Oftalmologia Social da Secretaria de Estado da Saúde de Minas. A conjuntivite viral, que atinge a Zona da Mata mineira, é um dos tipos de inflamação da conjuntiva. A transmissão ocorre pelo contato direto com a secreção dos olhos de quem está infectado ou por meio de objetos contaminados. Não há tratamento médico para o tipo viral da doença. Para o controle dos sintomas, recomenda-se lavar os olhos freqüentemente com soro fisiológico gelado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.