Surto de conjuntivite atinge quatro Estados

Um surto de conjuntivite, iniciado no carnaval, está se alastrando por alguns Estados do País. A Fundação Nacional de Saúde (Funasa), órgão do Ministério da Saúde, ainda não tem um balanço total, mas em pelo menos três Estados os dados já são conhecidos. O mais atingido é Santa Catarina, com 23.542 vítimas. Em segundo lugar, vem São Paulo, com cerca 13 mil, seguido de Mato Grosso do Sul, 1.000. O Paraná também está detectando muitos casos. Os primeiros indícios começaram a ser aparecer no dia 5, Quarta-feira de cinzas. Como a doença se transmite por contato direto, os especialistas acreditam que o carnaval foi um fator agravante, por causa das grandes aglomerações. Técnicos do Ministério da Saúde foram até lá e já coletaram secreções de pacientes nas cidades de São José, na Grande Florianópolis, e Joinville. O material foi encaminhado para o Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, para análise. Eles querem saber se o agente causador é um vírus ou uma bactéria. Devido à rapidez com que a doença está se alastrando, a primeira hipótese é mais provável. Em São Paulo, a região mais atingida é a Baixada Santista, com 6.118 vítimas. Não há dados do ano passado, pois a conjuntivite não é uma doença de notificação obrigatória. Na Capital, apenas no Hospital São Paulo, ligado à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o número de atendimentos diários saltou de um ou dois para cerca de 50. Do dia 5 até ontem foram atendidas mais de 200 vítimas."O carnaval facilitou a disseminação da infecção", explica Ana Luisa Hofling de Lima, chefe do Departamento de Oftalmologia da Unifesp. "Normalmente ocorrem mais casos no inverno, por causa do confinamento das pessoas." A conjuntivite é uma inflamação da conjuntiva, uma fina membrana que recobre a parte externa do olho, que pode ser causada por vírus ou bactéria. Os principais sintomas são vermelhidão dos olhos, inchaço das pálpebras e da conjuntiva e secreção. A vítima sente muito desconforto, fotofobia e dificuldade em abrir os olhos. A doença é transmitida pelo contato direto com a pessoa contaminada ou objetos usados por ela.Para evitá-la, deve-se afastar de pessoas com conjuntivite e lavar as mãos freqüentemente. Não há tratamento, mas para atenuar os sintomas recomenda-se soro fisiológico, compressas geladas e lubrificantes oculares. Em cerca de 15 dias a doença desaparece.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.