Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Supremo terá que decidir, mais uma vez, se ministro da Justiça pode assumir cargo

O PPS entrou com uma nova ação no Tribunal nesta quinta-feira, 17, questionando a permanência do recém-empossado Eugênio Aragão

Isadora Peron e Gustavo Aguiar, O Estado de S. Paulo

18 de março de 2016 | 13h39

Brasília - O Supremo Tribunal Federal (STF) vai ter que decidir, mais uma vez, se o nome escolhido pela presidente Dilma Rousseff para o Ministério da Justiça pode permanecer no cargo. O PPS entrou com uma nova ação no Tribunal nesta quinta-feira, 17, questionando a permanência de Eugênio Aragão no posto.

O partido alega que a situação de Aragão, que foi afastado do cargo de subprocurador-geral da República para tomar posse nesta quinta, é a mesma do antecessor Wellington César Lima e Silva, que decidiu deixar o cargo para voltar à Procuradoria do Estado da Bahia.

No último dia 9, o STF decidiu proibir que membros do Ministério Público, como promotores e procuradores de Justiça, assumissem cargos no Executivo. A regra, no entanto, valeria apenas para quem houvesse ingressado na carreira depois da promulgação da Constituição, em 1988.

Apesar de Aragão ter se tornado procurador em 1987, o PPS alega que o atual ministro não fez a opção pelo regime jurídico anterior, e portanto, teria que se submeter ao que foi definido pelo STF.

Essa questão já havia sido levantada na sessão do Conselho Superior do Ministério Público que discutiu se o subprocurador poderia se afastar da função para assumir a pasta. Mesmo sem localizar o documento em que Aragão teria feito a opção pelo regime anterior, os conselheiros decidiram autorizar Aragão a tomar posse.

O PPS alega ainda que, mesmo que o atual ministro tenha ingressado na carreira antes da promulgação da Constituição, o conflito de interesses permanece. "Não há como compatibilizar o princípio da independência do Ministério Público com o exercício de um cargo de ministro de Estado. Toda a politização e subordinação decorrentes do exercício do cargo de ministro de Estado permanecem presentes", afirmou.

O caso ficou sob a relatoria da ministra Cármen Lúcia. A ação que determinou a saída de Wellington César da Justiça também foi movida pelo PPS.

Lula. Caberá ao STF também decidir se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode continuar na Casa Civil. Lula tomou posse na quinta-feira, e desde então, 12 ações no Supremo questionam a permanência do petista no cargo. O ponto questionado no caso do ex-presidente é que ele teria aceitado o cargo no governo para fugir das mãos do juiz Sérgio Moro, responsável pelos processo da Lava Jato na primeira instância.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.