Supremo ouve defesa de Valdemar Costa Neto e mais dois ligados ao extinto PL

Deputado é acusado de receber R$ 8,8 milhões do esquema do mensalão e de ter empresa fantasma

Ricardo Brito - Agência Estado,

10 de agosto de 2012 | 14h42

Brasília, 10 - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ayres Britto, abre a sessão do sétimo dia do julgamento do mensalão, nesta sexta-feira, 10. Os destaques serão as sustentações orais de três advogados de réus ligados ao antigo PL, atual PR. Entre eles, o ex-presidente do extinto partido, o deputado federal Valdemar Costa Neto (SP). Acusado de receber R$ 8,8 milhões do esquema, Costa Neto renunciou ao mandato que exercia na época para não ser cassado.

O Ministério Público Federal acusa Costa Neto de ter usado uma empresa fantasma para disfarçar a origem do dinheiro. Sua defesa afirma que a quantia recebida era para pagar dívidas de campanha. Os outros dois acusados, ligados ao antigo PL, são os irmãos Jacinto Lamas e Antônio Lamas. Jacinto trabalhava com Valdemar Costa Neto e foi tesoureiro do PL. Segundo a acusação, ele sacou R$ 1 milhão do valerioduto para o antigo partido.

Contra Antonio Lamas, ex-assessor do PL, a acusação sustenta que ele sacou R$ 350 mil do valerioduto para o irmão dele. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, no entanto, pediu a absolvição de Antonio, por não haver provas de envolvimento dele no esquema.

Ainda na tarde de hoje serão ouvidas as defesas de mais duas pessoas ligadas a empresas que, segundo a acusação, participaram do esquema de distribuição de dinheiro para compra de apoio político no Congresso. O advogado de Breno Fischberg, ex-sócio da corretora Bônus Banval, alegará que seu cliente desconhecia a origem e o destino do dinheiro. Segundo a Procuradoria, ele teria recebido R$ 11 milhões do valerioduto para repassar a pessoas ligadas ao PP.

Já a defesa de Carlos Alberto Quaglia, dono da corretora Natimar, afirmará que sua empresa foi usada nas transações financeiras sem sua autorização. De acordo com a acusação, Quaglia emprestou a corretora para que a Bônus Banval repassasse parte dos recursos destinados ao PP.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalaomensalãojulgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.