Supremo manda soltar 18 alvos da Operação Furacão

O Supremo Tribunal Federal (STF) mandou soltar, no último dia 3, 18 investigados na Operação Furacão, da Polícia Federal (PF). Efetuada no ano passado, a ação apurou um esquema de compra de decisões judiciais para liberar jogos ilegais. O ministro Marco Aurélio tomou a decisão, em caráter liminar, no habeas-corpus ajuizado pelo empresário José Renato Granado Ferreira e a estendeu aos demais. Foram beneficiados Belmiro Martins Ferreira Junior, Paulo Roberto Ferreira Lino, Arturo Roberto Lemseyan, Aílton Guimarães Jorge, Júlio Cesar Guimarães Sobreira, Aniz Abrahão David, Nagib Teixeira Sauid, Antônio Petrus Kalil, Marcelo Kalil Petrus, Licínio Soares Bastos, Laurentino Freire dos Santos, José Luiz da Costa Rebello, Jaime Garcia Dias, Evandro da Fonseca, Sérgio Luzio Marques de Araújo, José Grille Sanchino e Francisco Recarey Vilarante.Segundo a Corte, Marco Aurélio concedeu liberdade ao grupo por considerar que não houve formação de culpa antes da expedição dos mandados de prisão. "Decretou-se a preventiva a partir de indícios quanto à autoria e à materialidade de crimes, da presunção de que o paciente, em liberdade, continuaria a delinqüir", disse o ministro. O STF afirmou que alguns dos beneficiados pela decisão já haviam obtido habeas-corpus em outras operações da PF.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.