Supremo julga recursos de condenados do mensalão

Dirceu e mais três tentam obter autorização para trabalhar fora da prisão; Corte ainda deve analisar pedido de prisão domiciliar feito por Genoino

Felipe Recondo, O Estado de S. Paulo

24 Junho 2014 | 19h47

Atualizado em 25.06

Brasília - O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) deve julgar nesta quarta-feira, 25, recursos de cinco condenados por envolvimento no mensalão. Além de quatro  pedidos para autorizar o trabalho fora da prisão, a Corte vai avaliar o recurso da defesa do ex-deputado José Genoino para cumprimento da pena em regime domiciliar.

A tendência é que os ministros confirmem a autorização para condenados que cumprem pena em regime semiaberto possam trabalhar fora do presídio durante o dia. As solicitações foram apresentadas pelas defesas do ex-ministro José Dirceu, do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, do ex-deputado Romeu Queiroz (PTB-MG) e do advogado Rogério Tolentino. De acordo com o tribunal, a sessão será presidida pelo ministro Ricardo Lewandowski, pois o presidente Joaquim Barbosa se declarou suspeito para julgar o caso. O relator dos processos é o ministro Luís Roberto Barroso.

As defesas dos réus contestam a decisão de Joaquim Barbosa que cassou a autorização para que trabalhassem durante o dia e voltassem para a cadeia à noite.

Nesta segunda, 23, a defesa de José Genoino apresentou novos exames médicos e insistindo no pedido de prisão domiciliar. Os advogados alegam que o ex-deputado sofre de problemas cardíacos e correria risco se permanecesse preso. "Desde seu retorno ao presídio, o sentenciado apresentou alguns episódios de crise hipertensiva, com elevação importante dos níveis pressóricos, que requereram uso de medicação de urgência e perda gradativa do controle terapêutico da anti-coagulação", afirmou a defesa.

Mais conteúdo sobre:
mensalão STF Lewandowski

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.