Supremo faz campanha para se livrar dos ratos

Dedetização não conteve ''''invasão''''

Mariângela Gallucci, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2027 | 00h00

Os funcionários e freqüentadores do Supremo Tribunal Federal (STF), Corte que recentemente vem se dedicando a inquéritos de grande repercussão, como o do mensalão, foram surpreendidos nos últimos dias com a convocação de uma campanha de combate a ratos e ratazanas. ''''Roedores no STF. Sucesso no combate depende da colaboração de servidores e funcionários'''', diz um anúncio fixado nos halls dos elevadores do tribunal.Na intranet - rede interna de computadores - do Supremo, há informações mais detalhadas sobre a campanha. No texto divulgado pelo tribunal, o chefe da Seção de Limpeza e Conservação, Juacílio Pereira Lima, informa que já é realizada uma dedetização trimestral nas dependências do Supremo.''''Já realizamos as dedetizações, mas só isso não resolve'''', frisou Lima. ''''É preciso conscientizar os servidores de que, se deixarem restos de comida nas salas, mesmo que dentro das gavetas, ou consumirem alimentos no térreo e subsolos, irão atrair alguns bichos, principalmente ratos'''', advertiu.As principais preocupações da mais alta corte do País são ratos e escorpiões, porque a dedetização tem maior efeito sobre as formigas e baratas. ''''Os ratos chegam ao tribunal pelo lado de fora dos anexos, em frente à via S2, onde estão ocorrendo a reforma no Tribunal de Contas da União (TCU) e obras da Companhia Energética de Brasília (CEB), o que acumula uma grande quantidade de lixo'''', informou o STF.Lima avisou que estão sendo tomadas medidas de prevenção, como a colocação de telas, para evitar que mais ratos entrem nos edifícios do tribunal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.