Supremo determina a prisão de ex-advogado de Valério

Rogério Tolentino trabalhou para o operador do mensalão durante o funcionamento do esquema, além dele o mandado do deputado Pedro Henry (PP-MG) deve ser expedido a qualquer momento

MARIÂNGELA GALLUCCI, Agência Estado

12 Dezembro 2013 | 17h33

Brasília - O Supremo Tribunal Federal (STF) expediu na tarde desta quinta-feira, 12, um mandado determinando a prisão do advogado Rogério Tolentino, condenado por envolvimento com o esquema do mensalão. A expectativa é de que nas próximas horas seja tomada a mesma providência em relação ao deputado Pedro Henry (PP-MG), também considerado culpado por participação no esquema de compra de votos no Congresso durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Tolentino era advogado do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza no período em que ele era operador do mensalão e foi condenado a 6 anos e dois meses de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção ativa.

Ao todo, 16 dos 25 condenados no julgamento do mensalão já estão presos, sendo que as condenadas Kátia Rabello, ex-presidente do Banco Rural, e Simone Vasconcellos, ex-diretora da agência de publicidade SMP e B foram transferidas para Minas Gerais na segunda-feira, 9.

Além dos mandados de prisão de Tolentino e Henry,o Supremo deve decidir sobre os regimes de prisão a serem cumpridos por José Genoino e Roberto Jefferson, que apresentam problemas de saúde e solicitaram prisão domiciliar. O mandado de Jefferson ainda não foi expedido.

Mais conteúdo sobre:
mensalão Tolentino mandado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.