Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Supremo autoriza transferência de Dirceu para Curitiba

Preso nesta manhã na 17ª fase da Lava Jato, Dirceu cumpre no Distrito Federal prisão domiciliar em razão da condenação por corrupção ativa no processo do mensalão

Beatriz Bulla e Talita Fernandes, O Estado de S. Paulo

03 de agosto de 2015 | 20h30

Brasília - O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou nesta noite a transferência do ex-ministro José Dirceu, preso nesta manhã na Operação Lava Jato, de Brasília para Curitiba (PR). "Defiro o pedido para o fim de colocar o sentenciado José Dirceu de Oliveira e Silva à disposição do Juízo da 13ª Vara Federal, Subseção Judiciária de Curitiba", decidiu Barroso.

Preso nesta manhã na 17ª fase da Lava Jato, Dirceu cumpre no Distrito Federal prisão domiciliar em razão da condenação por corrupção ativa no processo do mensalão. Por isso, para ser transferido de Estado, é necessária a autorização de Barroso, relator das execuções penais do mensalão no STF.

O juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal Criminal em Curitiba, responsável pela Lava Jato, solicitou ao STF a transferência. "Como as investigações e processos tramitam em Curitiba, seria importante, contudo, a sua remoção para a carceragem da Polícia Federal em Curitiba", escreveu o juiz. Barroso disse entender "que a concentração dos atos de apuração criminal no foro do Juízo que supervisiona o inquérito é perfeitamente justificável, na medida em que é lá que se encontram em curso as investigações envolvendo as condutas imputadas ao sentenciado".

A defesa de Dirceu tentou evitar a transferência do ex-ministro, alegando que é "totalmente desnecessário" levá-lo para o Paraná. O criminalista Roberto Podval, que defende o ex-ministro, afirmou que Dirceu se dispôs a prestar esclarecimentos a Moro sobre suposto envolvimento na Lava Jato e que, na ocasião, um delegado de polícia disse que não era necessário o deslocamento.

Barroso já havia autorizado, em abril, o ex-deputado Pedro Corrêa (PP-PE), também condenado no mensalão, a ser transferido de presídio em Pernambuco onde cumpria pena para Curitiba, em razão de decreto de prisão preventiva no âmbito da Lava Jato.

Noite. O ex-ministro vai passar a noite desta segunda na Superintendência da Polícia Federal, em Brasília, apesar da decisão do ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), que autorizou a transferência de Dirceu para Curitiba, no Paraná. O deslocamento será realizado amanhã, 04, mas ainda não há um horário previsto. 

De acordo com o delegado responsável pela prisão de Dirceu, Luciano Flores de Lima, apesar da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de autorizar a transferência do ex-ministro, não havia mais condições logísticas para o deslocamento nesta noite.

O delegado disse que Dirceu chegou na PF se queixando de mal estar e que foi constatada pressão alta. Foi então solicitada a presença de um médico da confiança do ex-ministro, que constatou pressão alta. Agora, o ex-ministro passa bem.

Lima informou também que Dirceu se alimentou como os demais presos, com a diferença de que sua comida estava sem sal, devido ao diagnóstico de pressão alta. Ele relatou ainda que o ex-ministro se manteve calmo o tempo todo. "Ele já estava esperando (a prisão) e disse que todos os dias havia jornalistas na frente da casa dele", disse o delegado.

Segundo Lima, não foi preciso realizar o exame de corpo de delito, porque o médico que examinou Dirceu emitiu um atestado que substitui o exame.

O ex-ministro recebeu a visita de sua companheira, Simone Patricia Tristão Pereira, que levou roupas, inclusive de cama. 

O ex-ministro foi levado para a Superintendência por volta das 8h desta segunda depois de ter sido preso por ordem do juiz Sérgio Moro, que conduz a Operação Lava Jato na 1ª instância. O irmão do ex-ministro, Luiz Eduardo, também foi preso nesta fase da Lava Jato, batizada de 'Pixuleco'. A defesa de Dirceu classificou a prisão como "desnecessária" e disse que vai recorrer.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Lava JatoJosé DirceuSTF

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.