Supremo adia julgamento de denúncia contra Gleisi por sessões do impeachment

'Ela pediu ao relator que retardasse o seu julgamento porque está participando do processo do impeachment. É absolutamente normal', afirmou o ministro Gilmar Mendes

Mariana Sallowicz, O Estado de S. Paulo

26 de agosto de 2016 | 19h37

Rio - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, afirmou que o adiamento do julgamento sobre a aceitação da denúncia contra a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), inicialmente previsto para ocorrer na próxima terça-feira, 30, foi feito a pedido dela, que participa do julgamento do impeachment.

“Não há nenhum motivo específico e também não há nenhuma confusão política. Ela pediu ao relator que retardasse o seu julgamento porque está participando do processo do impeachment. É absolutamente normal”, afirmou em evento na Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio.

O caso foi retirado da pauta da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), responsável por decidir se torna a senadora e seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, réus na Lava Jato. O ministro também negou haver participação do senador Renan Calheiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.