Supostas declarações abrem crise entre Minc e governador

Depois de chorar em um discurso na semana passada ao comentar a proibição, pelo governo federal, da implantação de novas usinas de açúcar e álcool na bacia do Alto Paraguai, o governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), fez hoje duras críticas ao ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, um dos defensores da medida. Em um encontro hoje pela manhã em seu gabinete com empresários em Campo Grande (MS), Puccinelli teria xingado Minc com palavras de baixo calão e desafiado o ministro a não aparecer no Estado.

GUSTAVO PORTO, Agencia Estado

22 de setembro de 2009 | 18h14

O ministro, que é esperado para a prova da "Meia Maratona Internacional do Pantanal Volta das Nações", no próximo dia 11 na capital sul-mato-grossense, rebateu as críticas e declarou, por meio de uma nota de sua assessoria de imprensa, que Puccinelli "é um truculento ambiental que quer destruir o Pantanal com a plantação de cana-de-açúcar. Essa declaração revela o seu caráter", informou o ministro.

Puccinelli convocou uma entrevista coletiva para o final da tarde de hoje na qual pretendia se justificar. No site do governo, uma nota informa que "ao ser questionado por empresários do setor da indústria e comércio sobre a questão da proibição do plantio de cana-de-açúcar na região da Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai, durante reunião em seu gabinete, o governador André Puccinelli fez referências, em tom de brincadeira, a outras críticas recebidas pelo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc". Ainda segundo a nota, "as referências do governador foram entendidas pelos presentes no contexto de brincadeira, sem caráter de ofensa pessoal ao ministro",

O vice-governador do Estado, Murilo Zauith (DEM) disse, à Agência Estado, que não poderia se manifestar sobre as declarações do governador, porque não estava presente no encontro. No entanto, Zauith confirmou que Puccinelli não concorda com as regras impostas pelo governo federal para a expansão da cana no Mato Grosso do Sul e que trabalha para alterá-las em Brasília (DF). "Ele ficou bravo e o jeito dele é assim mesmo", disse o vice-governador.

Ao saber das declarações do governador, o advogado Eduardo Bottura disse que encaminhou uma representação ao Ministério Público Federal (MPF), em Brasília (DF), para que apure o crime de abuso de poder contra o governador pelas declarações dadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.