Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Suplicy se encontra com juíza que proibiu visitas a Lula

Após a reunião em Curitiba, vereador de São Paulo disse que vai recorrer ao TRF e ao STF para garantir que Lula receba amigos

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2018 | 17h39

SÃO PAULO - Depois de ir ao prédio da Polícia Federal para tentar visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o vereador de São Paulo Eduardo Suplicy (PT) se encontrou nesta quinta-feira, 26, com a juíza da 12ª Vara de Execuções Penais de Curitiba, Carolina Lebbos, que já barrou uma série de aliados que pediram autorização para visitar o ex-presidente na sala especial onde está preso.

Sem marcar horário, Suplicy foi ao prédio da Justiça Federal, na capital paranaense, e foi atendido por Carolina. Na sequência, em entrevista à imprensa, o parlamentar afirmou que vai recorrer ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, e depois ao Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir que Lula receba visita de amigos.

+ Suplicy fará prova de reciclagem após perder CNH por excesso de multa

Conforme relato de Suplicy, a magistrada alegou que o indeferimento às visitas está fundamentado em regras da Polícia Federal, responsável pela custódia de Lula. O petista e outros aliados evocam as chamadas "Regras de Mandela", da Organização das Nações Unidas (ONU), para alegar que visitas de amigos e médicos são garantidas a pessoas que cumprem penas no sistema prisional.

"Ela me explicou que essa decisão (de não autorizar visitas) já está tomada, levando em conta as normas da Polícia Federal, mas que pode haver ainda um recurso a um órgão da Justiça para, levando em contas tais argumentos, permitir que Lula e outras pessoas recebam visita de amigos", disse o vereador, acompanhado de uma advogada.

Se o TRF-4 negar o recurso, observou Suplicy, a esperança está no STF. "Não vamos desistir, alguns dos ministros lá são pessoas de bom senso", disse o petista.

+ Juiz da Lava Jato diz que existem ‘outras provas’ contra Lula, além da delação da Odebrecht

Depois do encontro com a juíza, Suplicy disse que iria novamente à sede da Superintendência da Polícia Federal para entregar cartas que recebeu endereçadas ao ex-presidente Lula. Pela manhã, o petista afirmou a jornalistas que gostaria de conversar com o ex-presidente sobre a "renda básica de cidadania", proposta que defende há décadas e que chegou a ser sancionada por Lula durante seu governo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.