Paulo Pinto/Divulgação Facebook
Paulo Pinto/Divulgação Facebook

Suplicy recebe gás de pimenta em tumulto durante protesto na Paulista

Ex-senador foi empurrado por policiais militares quando tentava saber por que eles tinham retirado a caixa térmica de uma ambulante

São Paulo

18 de setembro de 2016 | 18h01

SÃO PAULO - O ex-senador e candidato a vereador na cidade de São Paulo Eduardo Suplicy (PT) se envolveu na tarde deste domingo, 18, em um início de tumulto na Avenida Paulista, durante uma manifestação contra o governo de Michel Temer. Foi empurrado por policiais militares e recebeu jatos de spray de gás de pimenta no rosto. O ex-senador discursava do alto de um carro de som quando a confusão começou. Policiais militares abordaram uma vendedora ambulante e retiraram dela uma caixa térmica.

Suplicy desceu do carro e foi falar com os policiais, mas foi empurrado e afastado com gás de pimenta. O tumulto durou pouco tempo, e Suplicy continuou a conversar com os PMs, que estavam cercados de manifestantes.

De volta ao caminhão de som, Suplicy defendeu a vendedora ambulante e disse que perguntou três vezes aos PMs o que estava acontecendo, por que a mulher estava sendo surrada. O ex-senador disse que foi ameaçado de ser “surrado com cassetete” pelos agentes e que escreverá uma carta ao governador Geraldo Alckmin (PSDB), responsável pelo comando da Polícia Militar.

Suplicy também voltou a defender a realização de uma consulta popular sobre a convocação de eleições diretas para a Presidência, ocupada por Michel Temer após o impeachment de Dilma Rousseff.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.