Suplicy propõe que Lula se pronuncie sobre mensalão

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) afirmou hoje que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deveria se pronunciar sobre o escândalo do mensalão e prestar esclarecimentos à sociedade. O senador disse ter sugerido diretamente ao presidente que essas explicações sobre a crise que afeta o PT e o governo desde o meio do ano passado fossem dadas em um encontro com o Congresso Nacional. Mas, de acordo com ele, o próprio Lula já teria descartado a possibilidade."Eu acho natural que o presidente faça um pronunciamento e explique as coisas como elas são. Eu fiz essa sugestão, mas ele não achou boa", disse Suplicy, ao passar pelo diretório zonal do PT no bairro de Pinheiros, na capital paulista, um dos locais de votação da prévia do partido para a escolha do candidato ao governo de São Paulo. "Isso seria muito interessante, especialmente quando a nação deseja saber as coisas como elas aconteceram", acrescentou.Ao narrar as conversas que teve com o presidente sobre o tema, Suplicy explicou que Lula teria manifestado a preferência de prestar esclarecimentos sobre as denúncias somente durante a campanha eleitoral. "Eu falei já para o presidente: ´Que tal, você poderia ir lá e conversar?´ Ele pensou um pouco e falou: ´Eu vou falar na campanha´." A afirmação ajuda a fortalecer também a idéia de que Lula já assumiu sua disposição de concorrer à reeleição, apesar de ter adiado o anúncio para o mês de junho.Apesar de ter se mantido afastado das denúncias desde a eclosão da crise, Lula foi citado na entrevista concedida pelo ex-secretário-geral do partido Silvio Pereira ao jornal O Globo e publicada hoje. Pereira disse que Lula era uma das pessoas que "mandavam" no PT na época em que foi instalado o esquema de financiamento irregular de campanha no partido, ao lado de nomes como José Dirceu, José Genoino e Aloizio Mercadante. Mesmo assim, eximiu o presidente de qualquer responsabilidade nas irregularidades que foram cometidas pelo partido.Suplicy reconheceu que não há qualquer tipo de previsão na Constituição de que Lula preste esclarecimentos ao Congresso Nacional em uma situação como essa.Mesmo assim, ele destacou que também não existe nenhum tipo de impedimento para que isso ocorra. Na avaliação do senador, Lula poderia aproveitar a mensagem que é encaminhada a cada ano pelo presidente ao Congresso, uma tarefa que, nos últimos anos, ficou a cargo do ocupante do posto de ministro-chefe da Casa Civil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.