Suplicy: Lula deveria debater direitos humanos com Fidel

Senador fez discurso no qual citou líderes mundiais que fizeram greve de fome e pediu abertura em Cuba

CAROL PIRES, Agencia Estado

10 de março de 2010 | 20h15

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) disse nesta quarta-feira, 10, em discurso no plenário do Senado, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deveria falar ao presidente de Cuba, Raul Castro, e ao ex-presidente, Fidel Castro, sobre "se respeitar os direitos humanos, se respeitar as liberdades democráticas, sobretudo as liberdades de expressão em todo e qualquer País".            

 

Veja também:

linkDilma diz apoiar postura de Lula sobre cubanos

linkJungmann entrega carta de dissidentes cubanos à Presidência

linkAmorim: Lula deve ter feito autocrítica sobre greve de fome

linkPrisões desumanas levam a greve de fome

link Perfil: Farinas, um filho da revolução cubana

blog O 'pedreiro radical' que desafiou o regime cubano 

blogEdmundo Leite: As 'insanidades' de Lula

blogMarcos Guterman: Lula enxovalha sua biografia

O presidente Lula, que recentemente esteve em Cuba ao lado dos líderes da revolução cubana, que estão no poder há 50 anos, pediu nesta terça respeito às determinações da Justiça daquele país nos casos relacionados à detenção de opositores ao governo.

 

Lula também classificou como "insanidade" a prática da greve de fome por parte de presos políticos, como fez o preso político cubano Zapata Tamayo, que morreu após passar 85 dias sem comer, um dia antes da visita de Lula a Cuba.

"Greve de fome não pode ser utilizada como um pretexto de direitos humanos para libertar pessoas. Imagine se todos os bandidos que estão presos em São Paulo entrassem em greve de fome e pedissem libertação", comparou o presidente, que no dia da visita aos irmãos Castro preferiu silenciar-se sobre o morte de Zapata.

Na função de líder do PT, uma vez que Aloizio Mercadante (PT-SP), dono do cargo, está em licença médica, Suplicy citou em seu discurso nomes como Mahatma Gandhi, Martin Luther King e Nelson Mandela como exemplos de líderes mundiais que "realizaram greves de fome para alcançarem objetivos importantes na história dos povos".

 

 E, apesar de ter evitado comentar de forma mais direta as declarações do presidente, ressaltou que, nos documentos de fundação do PT, está registrado que o partido lutaria pela "extinção de todos os mecanismos ditatoriais que reprimem e ameaçam a maioria da sociedade".

"Eu acho que vossa excelência deveria pedir ao presidente Lula - e eu posso até me colocar à disposição para fazer isso, assim como os presidentes amigos de Cuba - que peça aos irmãos Castro, ao Fidel e ao Raul, que façam a abertura democrática em Cuba. Não há país no mundo que resista a 50 anos de ditadura", completou o senador Valdir Raupp (PMDB-RR).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.