"Suplicy é mau-caráter travestido de bom moço"

O secretário-geral da Presidência da República, ministro Aloysio Nunes, reagiucom irritação às intervenções dos senadores Pedro Simon (PMDB-RS) e Eduardo Suplicy (PT-SP) contra o presidenteFernando Henrique Cardoso, durante sessão do Conselho de Ética do Senado.?O Suplicy é um mau-caráter travestido de bommoço. O Simon se elegeu na esteira da reeleição do presidente, no Rio Grande do Sul?, contra-atacou, mostrando que ficará apostos durante ausência do presidente do País (ele embarcou nesta quinta-feira para o Canadá).Para Aloysio Nunes, Suplicy quis aproveitar-se de um episódio lamentável envolvendo o Senado - envolvimento de senadoresna violação do painel de votação secreta -, para atingir o governo e beneficar o PT.O senador tentara estabelecer ligação dopresidente Fernando Henrique com a iniciativa do ex-líder do governo José Roberto Arruda (PSDB-DF) de pedir a violação dopainel.?O PT sai chamuscado do episódio?, provocou o ministro, em menção à polêmica em torno do voto da senadora e então líderpetista Heloíza Helena (AL), supostamente contra a cassação do ex-senador Luiz Estevão (PMDB-DF), contra orientação deseu partido.O voto secreto da senadora constaria da lista tirada de forma fraudulenta do painel eletrônico.Em sua intervenção, Pedro Simon criticou o presidente Fernando Henrique pela cobrança de apuração dos graves episódiosocorridos na Casa, feita nesta quarta-feira.?Fernando Henrique cobra limpeza do Congresso, cobra moral do Congresso. Logo ele, quenão nos deixa criar a CPI da corrupção para apurar fatos envolvendo o governo dele?.?O presidente fala na condição de um senador que honrou o Senado nos 12 anos em que esteve lá. Sua campanha eleitoralcontribuiu decisivamente para a eleição de Simon ao Senado. Simon se elegeu na esteira da reeleição de Fernando Henrique?,disparou o ministro.Aloysio Nunes assistiu à primeira parte do depoimento da ex-diretora do Prodasen Regina Célia Borges, mas não quis fazercomentários, sob alegação de o assunto ser de competência do Legislativo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.