Suplicy cobra da Câmara de Santo André "seriedade "

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) cobrou nesta segunda-feira da Câmara de Santo André, no Grande ABC (SP), "seriedade e transparência" nos trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga suposto esquema de propina destinada à campanhas petistas. "Nós sempre exigimos seriedade na apuração de outras administrações; quando ocorre algo em uma prefeitura do PTé nosso dever fazer o mesmo", afirmou.O senador reuniu-se com o líder do PT na Assembléia Legislativa, Carlinhos Almeida (PT), o presidente da CPI, Antônio Leite (PT), o relator, Donizeti Pereira (PV), e o secretário de Governo da prefeitura, Mario Maurici. Suplicy negou, porém, que desconfie dos trabalhos da comissão, formada por cinco vereadores da base do prefeito João Avamileno (PT). Maurici informou que o senador estava atendendo a um convite da prefeitura. Apesar de garantir que a CPI está agindo com o "maior rigor e isenção", Suplicy disse que vai querer ler as conclusões do trabalho e ainda pediu a Maurici que forneça os dados da auditoria que será feita nos cem principais contratos da prefeitura. O senador revelou que ele e o candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, estão sendo questionados sobre o assunto em suas viagens. "Esta CPI é importante para a história do PT, por isso tem que ser bem-feita", justificou. "Se alguém quiser debater o caso comigo no Senado eu quero estar informado." Antes de seguir para Santo André, Suplicy passou pelo comitê de Lula em São Paulo e comunicou à direção nacional do PT que faria a visita. Ele também conversou com o prefeito Avamileno. O senador revelou ainda que a empresária Rosângela Gabrilli, uma das principais denunciantes do suposto esquema, procurou-o "manifestando preocupação" com o desenrolar do caso. O pai dela, Luiz Alberto Ângelo Gabrilli Filho, poderá ser ouvido pela CPI, apesar de sua saúde precária. Para Suplicy, as investigações são "importantes" para as eleições. "O Lula também está atento ao que se passa", disse. Os membros da CPI vão pedir mais de 30 dias de prazo para terminar o trabalho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.