Suplicy: Battisti reclama da demora para ser libertado

Senador disse que italiano voltou a negar ter assassinado quatro pessoas nos anos 70 em seu país

ROSA COSTA, Agência Estado

10 de janeiro de 2011 | 19h37

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) esteve na tarde desta segunda-feira, 10, com o ex-ativista Cesare Battisti na penitenciária da Papuda, em Brasília, onde o italiano está preso desde março de 2007. O senador contou que Battisti reclamou da demora do governo brasileiro em libertá-lo, como decidiu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no último dia de seu governo.

 

Battisti comparou o episódio ao que ocorreu na França quando a ex-ativista Marina Petrelli, favorecida por um ato do presidente Nicolas Sarkozy negando sua extradição para a Itália, foi colocada em liberdade meia hora depois. Ele lembrou que aqui no Brasil já se passaram 11 dias desde a decisão de Lula, que ainda depende de um parecer do Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Suplicy disse que Battisti voltou a negar ter assassinado quatro pessoas nos anos 70 em seu país, crimes pelos quais foi condenado na Itália. Battisti atribuiu novamente a denúncia que pesa contra ele a ex-integrantes da luta armada que conseguiram a liberdade em troca de delação premiada.

 

O senador negou ter perguntado o que ele fará quando estiver em liberdade. "O que eu sei é que ele continuará sendo escritor. Ele está conseguindo manter seu trabalho como escritor", disse Suplicy. O senador disse acreditar que Battisti não constituiu família nos quatro anos em que está no Brasil, mas que ele tem uma namorada, que conheceu na própria Papuda, onde está preso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.