Suplente recorre ao TSE contra deputado de São Paulo

Liliana Medeiros de Almeida Aymar Bechara, suplente de um deputado do PL em São Paulo, entrou com recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedindo a condenação do deputado estadual Gilberto Macedo Gil Arantes (DEM) por suposta compra de votos e abuso de poder econômico na eleição de 2006. Ela solicita a reforma do acórdão do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE/SP) que julgou improcedente a representação contra o candidato eleito. Requer, ainda, a cassação do diploma concedido, declaração de inelegibilidade e aplicação de multa.De acordo a denúncia oferecida por Liliana, o deputado Gil teria distribuído brindes, juntamente com o então candidato a deputado federal pelo Partido Verde (PV) Maurício Braga. Os brindes seriam revistas para colorir, nas quais os dois candidatos aparecem como super-heróis, divulgando suas propostas de campanha.Ainda segundo Liliana, os dois candidatos também teriam distribuído cestas básicas aos eleitores do município de Araçariguama, no interior paulista, com o com o intuito de obter votos. A suplente quer seja atribuída ao candidato a conduta de captação ilícita de voto, o mesmo que compra de voto, prática que é vedada pelo artigo 41-A da Lei 9.504/97 (Lei das Eleições).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.