Suplente de Napoleão é acusado de desviar dinheiro do SUS

O senador Benício Sampaio (PPB-PI), empossado, nesta quarta-feira, na vaga do governador Hugo Napoleão (PFL), tem contas a prestar ao Tribunal de Contas da União (TCU).Há quatro anos, o tribunal acusou o senador de desviar recursos do Sistema Único de Saúde (SUS), no período em que ocupou a Secretaria de Saúde do Estado.Napoleão deixou o Senado para assumir o governo do Piauí, no lugar do ex-governador Francisco de Assis Moraes Souza (PMDB), o Mão Santa, cassado por corrupção.As despesas indevidas, avaliadas em US$ 6,5 mil, correspondem hoje a R$ 16.500,00. Na época da condenação, o TCU exigiu o pagamento da multa de R$ 3,5 mil, a ser corrigida pelo IPCA.O dinheiro do SUS custeou o coquetel de comemoração do aniversário de Benício e foi usado na compra do presente que ele ofereceu ao presidente do INSS, cujo nome não é informado.As duas tentativas de Benício de derrubar a decisão do TCU - com um recurso e um embargo de declaração - foram rejeitadas.O ministro-relator Ubiratan Aguiar respondeu que não encontrou "nenhuma obscuridade na condenação". O senador não foi localizado para comentar a matéria. Seus assessores informaram que ele estava em trânsito para o Estado.De acordo com a auditoria realizada pelo TCU, o dinheiro do SUS, que deveria ser aplicado exclusivamente na área de saúde, foi empregado de forma irresponsável.Além do coquetel de aniversário e do presente ao presidente do INSS, a lista de gastos é a seguinte: fornecimento de 300 litros de chopp e de 30 caixas de água mineral para inauguração de um centro de saúde, pagamento a quatro garçons que trabalharam na inauguração, aquisição de troféu, chuteiras e meiões, confecção de 4.700 convites para o baile dos formandos de enfermagem e de odontologia, pagamento da banda Impactus Musical para a festa dos formandos de medicina, compra de cimento, cal e areia, pagamento de serviços fotógraficos, confraternização de final do ano dos diretores de departamentos, ajuda financeira para as atividades de colação de grau e para a Associação dos Servidores da Rede Hospitalar.Ao contestar o recurso de Benício Sampaio, o ministro Ubiratan Aguiar afirma que "o responsável não demonstrou no momento oportuno que as despesas não foram realizadas com recursos do SUS".O ministro também rejeitou a alegação do ex-secretário de que foram desviados "apenas" US$ 6,5 mil, embora ele tenha recebido US$ 35 milhões nos 33 meses em que ficou no cargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.