Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

Suplente de Gleisi diz que denúncias não o prejudicarão

Sérgio Souza (PMDB-PR) assume mandato como senador em meio a polêmica por seu envolvimento com caso de desvio de dinheiro na Assembleia do Paraná

ROSA COSTA / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2011 | 17h04

Sérgio Souza (PMDB-PR) assumirá na tarde desta terça-feira, 14, a vaga no Senado deixada por Gleisi Hoffmann (PT-PR), que se tornou ministra-chefe da Casa Civil da Presidência da República na semana passada. Ele tomará posse como senador sob forte polêmica, pois é alvo de denúncias de envolvimento com grupo que desviava dinheiro da Assembleia Legislativa do Paraná.

Nesta terça-feira, antes da posse, Souza tratou de minimizar o problema. Sobre as acusações de que sua mãe teria recebido salário do Legislativo paranaense sem dar expediente na Assembleia, o novo senador disse que o fato "não tem nada de anormal".

"A chefia de gabinete, que cuidava disso, disse que isso é normal. Era muito normal, não só na Assembleia, como em outras casas", declarou. Souza explicou que não sabia que estava sendo investigado pela Polícia Federal (em referência à operação Gafanhoto da PF, de 2008) e que o fato não prejudicará o seu mandato. "Isso, para mim, não tem nenhuma importância. Isso é uma provação que tenho de passar, porque temos de provar para os amigos, para o meu Estado, para a nação, para o meu País, que não há nada errado. Sou um senador jovem e tenho ideias novas. Não estou aqui para brincadeira. Talvez eu represente a renovação, não só para o Senado, mas para a política do meu Estado", disse.

Sérgio Souza é advogado e ligado ao ex-governador do Paraná Orlando Pessuti. Com a chegada de Souza, a bancada do PMDB no Senado, que já era a maior da Casa, passa a ter 20 senadores. A bancada do PT, que era a segunda maior e tinha 15 senadores, fica com 14.

Tudo o que sabemos sobre:
suplênciaSenadoGleisidenúncias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.