Maryanna Oliveira/Agência Câmara
Maryanna Oliveira/Agência Câmara

Suplente de Cristiane Brasil na Câmara é ex-presidiário e irmão de Garotinho

Nelson Nahim (PSD-RJ), que deve assumir a vaga da deputada após ela tomar posse como ministra do Trabalho, foi preso em junho de 2016 sob acusação de participar de uma rede de exploração sexual de crianças e adolescentes

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

03 Janeiro 2018 | 19h43

BRASÍLIA – Irmão do ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, o suplente parlamentar Nelson Nahim (PSD-RJ) deve assumir a vaga da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) na Câmara após ela tomar posse como ministra do Trabalho, na próxima semana.

A informação foi confirmada pela Secretaria-Geral da Mesa Diretora da Casa. Assim como Garotinho, que ficou preso por cerca de um mês no final do ano passado por crimes eleitorais, Nahin também é ex-presidiário.

++Filha de Roberto Jefferson é a nova ministra do Trabalho

Ele foi preso com outras 12 pessoas, em junho de 2016, numa ação da Polícia Civil e do Ministério Público, sob a acusação de participar de uma rede de exploração sexual de crianças e adolescentes, em Campos de Goytacazes (RJ).

Na época da prisão, Nahim negou envolvimento no crime. Ele foi solto quatro meses depois, após habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

++'É um resgate da família', diz Roberto Jefferson sobre escolha da filha para ministério

Como suplente, na atual legislatura, Nahim já assumiu mandato de deputado federal por duas vezes, em dezembro de 2015, por apenas um dia, e em janeiro de 2017, por cerca de duas semanas.

Na mesma coligação, ele também seria o eventual substituto do deputado Celso Jacob (PMDB-RJ), que cumpre pena em regime semiaberto por falsificação de documento público e dispensa indevida de licitação para construção de creche na época em que comandou a prefeitura de Três Rios (RJ), em 2002.

VEJA TAMBÉM Por Sarney, Temer muda indicação ao Ministério do Trabalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.