Superintendente do Incra diz ter sido ameaçada de morte

A superintendente do Incra em Pernambuco, Maria de Oliveira, denunciou nesta quarta-feira, em entrevista coletiva, ter recebido ameaças de morte em novembro passado e ontem pelo grupo político do deputado estadual Claudiano Ferreira Martins (PMDB), liderança dos municípios de Itaíba, Águas Belas e Manari, no agreste. Segundo ela, o porta-voz das ameaças é José Francisco da Silva, o Chico, ex-técnico agrícola que prestava serviço ao Incra.Maria está sendo escoltada por dois policiais federais, mas garantiu não se sentir intimidada. "Enquanto não estiver morta, vou combater", disse, ao explicar que o grupo político - para o qual Chico passou a trabalhar - está inconformado com a ação do Incra no assentamento Barra Verde, em Itaíba, localizado em área marcada pela criminalidade no Estado. "A ameaça é a de acabar com Maria de Oliveira porque ela vem atrapalhando o poder político local", resumiu ela.O assentamento foi criado em 1997, com 116 lotes. Uma força-tarefa do Incra identificou que 47 estavam irregulares. Em sete deles, as famílias que os ocupavam já foram retiradas, apontadas como "laranjas" que estavam no assentamento por indicação do grupo político dos Martins Ferreira. Outros 30 estão em processo de exclusão.José Francisco da Silva foi um dos contratados para prestar assistência técnica ao assentamento, mas foi afastado pelo Incra porque, de acordo com a superintendente, discriminava a reforma agrária. Ele passou a trabalhar para a prefeitura de Itaíba para dar assistência aos assentados em confronto com o Incra e estaria trabalhando, segundo Maria, para retirar os funcionários do Incra na região - que tem presença do MST e MLST.Outro ladoO técnico diz que Maria de Oliveira não aceita suas denúncias de desvio de verba do Pronaf que estariam sendo desviados com a conivência da superintendente. "Não ameacei ninguém de morte, eu é que estou sendo ameaçado", disse, sem dizer por quem.A assessoria do deputado Claudiano Ferreira Martins informou que o deputado e seus irmãos (prefeitos de Águas Belas e Manarí - este o município com mais baixo IDH do País) nada têm contra a reforma agrária nem contra os assentamentos e estranharam a denúncia. Os dois prefeitos são alvo de investigações policiais e o deputado Claudiano chegou a ser preso em flagrante, no município de Garanhuns, no agreste, quando a CPI do Narcotráfico passou por Pernambuco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.