Superintendente da Zona Franca de Manaus deixa cargo

Depois de oito anos na função, Flávia Grosso saiu da Suframa em razão de denúncias de improbidade administrativa

Renata Veríssimo, da Agência Estado

19 de outubro de 2011 | 13h08

A superintendente da Zona Franca de Manaus (Suframa), Flávia Grosso, deixou nesta quarta-feira, 19, formalmente o cargo "a pedido", de acordo com portaria publicada no Diário Oficial da União. Depois de oito anos e seis meses no cargo, Flávia pediu demissão no último dia 7 em função das acusações de improbidade administrativa. O Superintendente Adjunto de Projetos da Suframa, Oldemar Ianck, assumiu interinamente o cargo. Segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), ainda não há definição sobre o novo superintendente da Suframa.

Flávia responde a uma ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal por suspeitas de improbidade administrativa. No final de setembro, a Polícia Federal do Amazonas fez uma operação de busca e apreensão de documentos, jóias e dinheiro na casa da ex-superintendente e mais cinco funcionários da autarquia. Em março, já havia tido os bens bloqueados pela Justiça. Flávia Grosso e dirigentes da Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Tecnológica (Fucapi) são suspeitos de lesar o patrimônio público e de enriquecimento ilícito por meio de convênios. Ela também é investigada por autorizar um contrato com o Centro das Indústrias do Estado do Amazonas (Cieam) com superfaturamento.

Em carta divulgada no dia do pedido de demissão, Flávia informou que deixava o cargo para se dedicar à defesa de sua reputação profissional e aos cuidados com a família, "que tanto sofreu e sofre com estas injustiças". Flávia Grosso é técnica de carreira da Suframa e estava na superintendência da autarquia desde 2003.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.