Suiços protestam em Porto Alegre contra repressão em Davos

O comitê de delegados e convidados suíços que participam do Fórum Social Mundial, em Porto Alegre, recolheram assinaturas e distribuíram hoje nota de repúdio à repressão das autoridades suíças às manifestações contra o Fórum Econômico Mundial que acontece em Davos. Segundo o texto, a atitude significa uma "regressão e violação escandalosa" dos direitos democráticos. "A repressão já começou e é dura: bloqueios nas fronteiras suíças para impedir a entrada dos manifestantes; a polícia está prendendo todas as pessoas suspeitas, com várias horas de interrogatório; reprimem a todos os manifestantes sem distinção (um grupo de teatro esteve preso e seu espetáculo foi proibido). Esta manobra de criminalização dos opositores ao Fórum Econômico Mundial é um estado de direito que não podemos permitir." Assinam a nota, entre outros, Comitê Suíço da Chamada de Bangkok, Marcha Mundial das Mulheres de Genebra, ATTAC Genebra, E-Changer Suíça, Unidade Suíça, ATTAC França, Eric Toussaint, CGT France, ATTAC Argentina, Madres da Plaza de Mayo, parlamentares europeus, José Bosé, Oded Grajew, Cândido Grzybowski, MST, Via Campesina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.