Subsidiária não prestou serviços, diz assessoria de petista

Assessoria de Dirceu informou que a JD Assessoria não prospectou negócios no Panamá

Andreza Matais e Fábio Fabrini,

21 Dezembro 2013 | 17h34

A assessoria do ex-ministro José Dirceu alegou que, apesar do registro formal, a abertura de filial no Panamá não prosperou, pois a JD Assessoria e Consultoria Ltda. não teria prospectado negócios naquele país. Assim, nenhum serviço foi prestado por lá. Ainda segundo a assessoria do ex-ministro, a filial panamenha, registrada no mesmo endereço da Truston International, não tem nenhuma relação com esta empresa, sócia majoritária do hotel Saint Peter.

O irmão de Dirceu, Luiz Eduardo Oliveira e Silva, sócio majoritário da JD, foi procurado pelo Estado mas não respondeu a reportagem. Luiz Eduardo ficou responsável pelos negócios do irmão enquanto Dirceu estiver preso cumprindo a pena pela condenação no esquema do mensalão.

Sócio original de Dirceu na JD, o administrador Júlio César dos Santos se desligou da empresa em setembro, segundo registros em cartório, quando irmão do ex-ministro passou a ser majoritário. Procurado. ele não quis dar detalhes sobre o registro da subsidiária na Cidade do Panamá. "Não tenho nada a ver. Procura o responsável que está lá."

Procurado, o escritório de advocacia Morgan & Morgan não respondeu aos questionamentos.

A assessoria de imprensa do Registro Público do Panamá também não respondeu às perguntas encaminhadas pela reportagem.

Mais conteúdo sobre:
mensalão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.