Werther Santana / Estadão
Werther Santana / Estadão

‘Subestimaram o risco da doença’, diz empresário

Para presidente da Associação da Indústria Têxtil, falta coordenação nas ações dos governos contra a pandemia

Marcelo Godoy, Pedro Venceslau e Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2020 | 05h00

“Os governos subestimaram o risco da covid-19. Mesmo no âmbito privado faltou planejamento. Ninguém estruturou um estoque regulador.” As afirmações são do presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit), Fernando Pimentel. Foi atrás de seus associados que os governos foram bater para comprar máscaras, aventais e toucas quando o coronavírus já era uma calamidade. “Daí, da negação se passou ao pânico.”

A indústria adverte que falta coordenação entre os governos. Em reuniões virtuais, empresários manifestam preocupação com “segurança jurídica” da cadeia produtiva, em razão dos confiscos e ações unilaterais de prefeitos e governadores. Pimentel defende coordenação de esforços, pois ela será essencial para a retomada da economia. A indústria está convertendo sua produção para suprir a necessidade de máscaras para a população. “Temos 20, 25 associados que fizeram isso. É preciso planejar a retomada. Para tanto, três coisas serão fundamentais: máscaras, distanciamento e testes. Só a indústria de transformação deve gastar até R$ 1 bilhão em testes por mês para 10 milhões de trabalhadores.” 

 

Em conferência virtual, Carlos Eduardo Benatto, da Associação Brasileira da Indústria de Não-Tecidos (Abint), disse que, em janeiro, o País importava 80% das máscaras que usava. “Não houve provisionamento das redes hospitalares pública e privada. Os pedidos vieram nas últimas três semanas.”

Empresas do setor aumentaram a produção. A multinacional 3M informou ao Estado que abriu novo turno de trabalho. Segundo Benatto, não falta matéria-prima. O que falta é logística para atender aos novos pedidos. “Podemos fazer 100 milhões de máscaras por mês.”

Para o deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP), porém, até março, as empresas “exportaram tudo”. “Com o dólar a R$ 5 não valia a pena vender no mercado nacional.”

Tudo o que sabemos sobre:
economiaindústriacoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.