Subcomissão da Câmara aprova voto eletrônico impresso

Projeto vai para comissão e em seguida será votado no plenário; TSE é contrário à conferência visual do voto

DENISE MADUEÑO, Agencia Estado

29 de novembro de 2007 | 19h32

A proposta de incluir o voto impresso na urna eletrônica avançou na Câmara nesta quinta-feira, 29, com a aprovação do relatório setorial da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). O projeto está em um pacote que prevê o voto em trânsito, recadastramento nacional de eleitores e mudança no título para a inclusão de foto. Com resistências do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o projeto estabelece que o voto será impresso na própria urna para conferência visual do eleitor sem, no entanto, permitir o contato manual com o papel.  O projeto será votado ainda na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e em seguida vai ao plenário da Câmara. Se aprovado, segue para o Senado.  Veja também: Presidente do TSE critica impressão do voto eletrônico  Ouça áudio do presidente do TSE, Marco Aurélio Mello   A idéia surgiu depois de debates na comissão nos quais foram levantadas suspeitas sobre a possibilidade de fraudes na votação. "A materialização do voto permite uma auditoria por meio de contagem física dos votos, além de dar ao eleitor a certeza de que a sua vontade se transformou em verdade", afirmou o deputado Vital do Rego Filho (PMDB-PB), relator da subcomissão. De acordo com o relator, o TSE recebe muitas reclamações de suspeita de fraudes eleitorais.No pacote de projetos aprovados nesta quinta, há o que estabelece o prazo de quatro anos para a realização de um recadastramento nacional do eleitor com a mudança do título eleitoral para a inclusão de foto. Além disso, a subcomissão aprovou também um projeto que permite o voto do eleitor fora de seu domicílio eleitoral, conhecido por voto em trânsito.

Tudo o que sabemos sobre:
TSEvoto eletrônico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.