Sub-relator da CPI quer eliminar "marginais travestidos de deputados"

O sub-relator de sistematização da CPI dos Sanguessugas, deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), disse nesta sexta-feira, 28, em Mogi Mirim, que vai entregar seu relatório à CPI e espera que os trabalhos sejam concluídos até o dia 18 para "mostrar antes das eleições quem são os marginais travestidos de deputados" que sujaram o Congresso. "Essa é uma missão que vou cumprir", prometeu.O deputado disse ter "provas robustas" contra "a maioria dos 90 investigados, infelizmente", e cobrou agilidade nos trabalhos da CPI. "O importante é que possamos até domingo concluir o trabalho de sistematização pra que possamos individualizar a participação ou não de cada um dos 90 parlamentares".Ele disse que pediu uma audiência com o ministro da Controladoria Geral da União, ministro Jorge Hage, em função da divulgação de dados envolvendo parlamentares da oposição, entre eles do PFL e PSDB. Hage respondeu que foi divulgado apenas um levantamento estatístico, de parlamentares que apresentaram mais de 6 emendas sobre a questão.Em entrevista, negou ter politizado ou partidarizado a questão. Na seqüência, admitiu no futuro usar o escândalo na campanha. "Na hora da campanha é evidente", disse "Mas enquanto eu estiver na CPI, não posso permitir que nós venhamos a perder o foco". O relatório da Controladoria-Geral da União com os novos nomes provocou a imediata reação de outros parlamentares da comissão, que viram na divulgação uma jogada política do governo para tentar atingir nomes da oposição. Sampaio também afirmou que a comissão decidiu não notificar os novos quatro parlamentares. O vice-presidente da CPI, deputado Raul Jungmann, disse que a decisão sobre a notificação dos parlamentares será tomada somente na próxima semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.