Suassuna recusa ministério para "evitar constrangimento" a FH

O senador Ney Suassuna (PMDB-PB)entregará nesa sexta-feira ao presidente Fernando HenriqueCardoso uma carta em que recusa o convite para voltar ao comando do Ministérioda Integração Nacional. Fernando Henrique chamou Suassuna para o Ministério natentativa de apaziguar os ânimos do PMDB da Paraíba, contrariadocom a aliança do PSDB com o PFL no estado. Com o convite, o presidente também quis afastar osrumores de envolvimento de tucanos no vazamento de denúnciascontra Suassuna. Na carta, o senador alegará que não reassumiráa pasta para não causar constrangimentos ao presidente. "Não posso aceitar voltar para o Ministério porque vãosair dizendo que estou fugindo da Comissão de Ética do Senado",argumentou o senador. Segundo a revista Época, o empresárioJosé Elísio Ferreira e o advogado Giovanni Ricardi, presos comuma mala com mais de R$ 100 mil em dinheiro, teriam ligações comSuassuna. A Polícia Federal suspeita que esse dinheiro seria asegunda parcela do pagamento de uma propina de R$ 400 milcobrada de empreiteiras de Belo Horizonte e de Goiânia pararealizarem obras de R$ 3 milhões, em Catalão (GO), financiadaspelo Ministério. "Eles não são meus assessores", garantiu hojeSuassuana. Ele informou que conhece apenas José Elísio, que éseu corretor de seguros há 10 anos. Como o Conselho de Ética doSenado deverá investigar a denúncia, o senador achou melhor nãoaceitar reassumir o Ministério. "Não poderia causar esseconstrangimento ao meu amigo Fernando Henrique", afirmou. Apoio O PMDB da Paraíba reúne-se nesta sexta-feira pelamanhã para decidir se apóia ou não a candidatura do tucanoCássio Cunha Lima ao governo do Estado. "Não tem nada resolvido na Paraíba", disse hoje olíder do PMDB na Câmara, deputado Geddel Vieira Lima (BA).Otimista, ele está confiante na construção de um acordo noEstado, apesar da ameaça do governador da Paraíba, José Maranhão(PMDB), de não apoiar a coligação do partido com o PSDB em tornoda candidatura presidencial do tucano José Serra. Dono de 32votos na convenção nacional do PMDB, Maranhão ficou indignadocom a aliança PSDB/PFL no estado e prometeu retaliar apoiando oPT.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.