STJ tenta apressar julgamento de crime cometido há 18 anos

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Paulo Costa Leite, intercederá junto à presidência do Tribunal de Justiça da Paraíba em favor da realização do julgamento de José Buarque Gusmão Neto, acusado de ser o mandante do assassinato da líder rural Margarida Maria Alves. O crime ocorreu há 18 anos e corre risco de prescrição.O ministro resolveu defender a realização do julgamento "com todas as garantias necessárias" após ouvir os presidentes da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Manoel dos Santos, e o da Comissão Pastoral da Terra (CPT), dom Thomaz Balduíno. Santos e Balduíno apresentaram documento a Costa Leite alertando para manobras que estão sendo estudadas para adiar mais uma vez o julgamento. Segundo eles, a data poderá ser alterada pela sétima vez, se essas manobras funcionarem. O julgamento no Tribunal do Júri da Paraíba está marcado para o dia 11.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.