STJ quer mínimo de 80% trabalhando na Justiça Eleitoral

O ministro Castro Meira, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), determinou esta noite que pelo menos 80% dos servidores da Justiça Eleitoral trabalhem. Em pleno período de preparação das eleições, o ritmo dos serviços dos tribunais está mais lento por causa de uma greve dos funcionários que reivindicam aumento de salário.

MARIÂNGELA GALLUCCI, Agência Estado

02 de junho de 2010 | 21h01

Castro Meira atendeu a um pedido da Advocacia Geral da União (AGU), que considera a paralisação ilegal. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro concedeu uma liminar estabelecendo limites ao movimento para que, nos dias de greve, seja mantida no trabalho uma equipe com no mínimo 80% dos servidores, sob pena de multa diária de R$ 100 mil a ser paga pelas entidades representativas da categoria.

A Advocacia Geral acionou o STJ a pedido do presidente do TSE, Ricardo Lewandowski, que estava preocupado em garantir os serviços, especialmente no período pré-eleitoral, e em evitar prejuízos futuros que afetassem os procedimentos para a realização do pleito.

Tudo o que sabemos sobre:
Justiça EleitoralservidoresgreveTSE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.