STJ nega pedido de liberdade para Cachoeira

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou nesta terça-feira pedido de liberdade para o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, que está no centro de uma investigação de uma CPI mista sobre suas relações com agentes públicos e privados.

REUTERS

22 Maio 2012 | 18h55

A 5a turma do STJ decidiu por 3 votos a 1 manter Cachoeira preso. Ele está detido desde fevereiro, acusado de comandar uma rede que explorava jogos ilegais.

Cachoeira compareceu nesta terça-feira à CPI, mas se recusou a responder às perguntas dos parlamentares, seguindo orientação de sua defesa, comandada pelo advogado Márcio Thomaz Bastos, que foi ministro da Justiça durante o primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O depoimento de Cachoeira era considerado chave para a CPI, que tem focado suas atenções no funcionamento da organização criminosa montada pelo empresário para operar máquinas caça-níqueis ilegalmente e na relação que Cachoeira mantinha com a construtora Delta, recordista de contratos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

O empresário, no entanto, alegou que não se pronunciará antes de prestar esclarecimentos à Justiça de Goiás, o que deve acontecer entre 31 de maio e 1o de junho.

Thomaz Bastos, por sua vez, disse a jornalistas que a defesa ainda precisa de tempo para analisar todos os documentos coletados durante as operações Vegas e Monte Carlo, da Polícia Federal, e aguarda o pronunciamento da Justiça sobre um pedido de anulação das provas, que a defesa considera terem sido obtidas ilegalmente.

(Reportagem de Eduardo Simões)

Mais conteúdo sobre:
POLITICA CACHOEIRA STJ NEGA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.